Por King Edward Lutamos

" Toda Rebeldia Anarquista provem da Rebeldia do REI contra a Autoridade Ilegitima que deu um Golpe de Representação na Monarquia ".

" Nenhum Anarquista por tal motivo aceita ou se submete a uma Autoridade Ilegitima que queira o Governar ".

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Somos o exercito de um homem só!


 Musica dos Engenheiros do Hawaii !!!


Como dizia salvador dali ao falar do Anarco Monarquismo:


Somos o exercito de um homem só !!!
Black Block Brasil


Edward Monthy Blacky => 666

Edward Monthy Blacky => 666


Para aqueles que souberem calcular o numero da besta em seu nome !!!
O ANUNCIO.


Agora toma um gol dos grandes com um monte de black com mãos de tesouras, paus, pedras e molotoves incendiários !!!

Anarco Monarquismo na Netflix


Anarco Monarquismo na Netflix

Salvador Dali se declararia Anarquista e descreveria o Anarco Monarquismo da seguinte maneira:
O Anarco Monarquismo é um sistema centralizado em um único individuo pivô (príncipe => radical primeiro ou de principio) da comunidade livre. E completaria dizendo: Que este príncipe Anarquista daria liberdade total as bases sociais da sociedade Anarquista constituída em Estado Anarquista.
Salvador Dali se referia ao príncipe Anarquista Pietro Kropotkin, que em sua cristianização sonhou em criar uma monarquia popular na Russia e sua liga investiu em transformar os conselhos só de velhos (sovietes) em um organismo popular da Anarco Monarquia Russa.
O clássico Guerra e Paz do Padre anarco cristão e novelista Anarquista Tostoy, descreve parte deste período histórico Russo.


E agora no cinema o seriado da Netflix subverte e atualiza o debate Anarquista (cristão matriarcal católico => Santa Ana somado a Santa Monica, como fez Salvador Dali) com Mascarados, Armados e Encapuçados (MAE) contra o sistema capitalista, fazendo referencia ao grande clássico Russo "A MÃE", que se refere ao Movimento Anarquista da Educação, pois os operários Russos eram impedidos de ter acesso a livros e reivindicavam poder ter acesso total a biblioteca, também faz referencia a entrada dos Anarco Monarquista ao Partido Anarquista Internacional com o uso de capuzes e mascaras do "V" de Vingança, simbolo este do PAI (partido anarquista internacional), assim faz referencia conjuntamente a Internacional Anonymous ( 9º Internacional socialista) e ao braço de ação direta do PAI conhecido mundialmente como tática Black Block.
Porem como a Aliança é Vermelha e Negra (referencia a odisseia do mar vermelho até o mar negro) os capuzes de vez de serem negros como da Black Block estes são vermelhos. 

Se os atores revolucionários das ruas, estão submersos na clandestinidade revolucionaria de yellow submarine, o cinema por outro víeis avisa aos passageiros com destino final. Estamos na terceira estação depois da de vocês !!! 

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Anarquismo e Castigo

Anarquismo e Castigo

"Os Outros sempre viram"

Os Bestiais

Eu choro muito, pois fui castigado por ele.
Era eu um filho da mãe Lua, vivendo do imaginário.
Fui castigado por não saber ressuscitar os mortos.
Mais não só por isto, e sim telos ofertado a Deusa terra.
Ele me castigou transformou meus olhos negros de Lua.
Assim meus olhos passaram a ser castanhos da terra.
Eu vi muitos do meu clã se tornarem rebeldes por isto.
Vi surgir Cemitérios, Catedrais, Igrejas e Capelas.
Uma raça mórbida, branca e morta nasceu no mundo.
E eu me tornei um "Senhor de Espíritos" Egípcios.
Porem assisti ele castigar outros e isto me apaziguou.
Mais a historia não acabaria ai; "os outros chegaram".

Os Luciferianos

Não era mais eu o único filho dele castigado no Mundo.
Logo chegou a terra a Rebelde Luci com suas verdades.
Luci foi transformada por ele em uma grande fera.
Por sua rebeldia conspiratoria e raivosa contra ele.
Ela trouxe com ela, exércitos de verdades decaídas.
Cada uma das suas verdades era um soldado fiel a ela.
Ela tinha o Don da magia e dos encantamentos mágicos.
Mudava de forma e se transformava no que desejaste.
Ela era a mais linda e sedutora entre todas as mulheres.
Transformava também os seus fieis soldados em tudo. 
Trazia tecnologias, ganhando as pessoas pela cobiça.
Mais ela não foi a única a ser castigada e chegar aqui.

Os Satânicos

Logo chegaram os Bispos Negros, "Santos Decaídos" .
O nome de Santo passou a ser chamado de "Satan".
Estes ganhavam, compravam e negociavam almas.
Todos eles tinham na cara uma imensa barba negra.
Estes vestiam preto e professavam publicamento ideias.
Davam presentes, ensinavam, davam ideias e lucravam.
Ser bonzinho, se vestir bem, falar bem era sua trama.
Assim lucravam com as almas que ganhavam sem pagar.
O Castigo deles foram ser transformados em criaturas.
Durante a noite eram Lobos e durante o dia homens.
Todos deles eram ao mesmo tempo homens e criaturas.
Foram castigados por ele por praticar o "bem e o mau".

Os Diabólicos

Porem logo chegou entre nos os "filhos dos insultos".
Estes foram transformados em criaturas exóticas.
Tinham chifres, caldas, escamas e uma boca de cão.
Eram uma miscigenção de raças nunca vista antes aqui.
E o seu castigo foi ter proferido ofensas contra ele.
Estes eram os mais pobres entre os todos castigados.
Eles necessitavam "Capitalizar" de alguma forma.
Seja com palavras, roubando, matando ou trabalhando.
Eram muito criativos e aceitavam até fazer de tudo. 
Suas palavras estavam cheias de insultos e palavrões.
Por onde eles passavam criavam muitos Prostíbulos.
Os Partidos e os Sindicatos foram criados por eles.

sábado, 28 de junho de 2014

Libertários e os ensinamentos Sociais Católicos


Libertários e os ensinamentos Sociais Católicos

Imagem: Cardeais "Vermelhos e Negros"


Líderes da Igreja Católica, desde o cardeal Maradiaga até o próprio Papa Francisco, estamparam as manchetes ao longo do ano por criticarem supostas economias de livre mercado. De acordo com eles, trata-se de uma forma de idolatria que explora e exclui os pobres. A doutrina social católica enfatiza o compartilhamento e a ajuda aos menos afortunados e, por isso, clérigos como Oscar Maradiaga têm como alvo o que percebem como “causas estruturais da pobreza”.

Porém, ao identificar essas causas, os ataques do cardeal contra a liberdade de mercado se tornam problemáticos. Embora sejam compreensíveis as preocupações sobre o relacionamento entre ricos e pobres, sua fé nas intervenções positivas do estado é que são “enganosa”. Ironicamente, o “livre mercado” denunciado com tanto empenho por Maradiaga é produto de profunda e contínua coerção estatal, numa escala pouco reconhecida. Devemos, portanto, distinguir entre dois empregos da expressão “livre mercado”, para que não caiamos na armadilha que vitimou Maradiaga – a armadilha de se opor ao libertarianismo em princípio sem compreender de fato o sistema que ele prescreve.

Os mercados livres não precisam ser a encarnação da dominação corporativa mundial que testemunhamos atualmente. Para a tradição anarquista individualista, de fortes raízes nos Estados Unidos, o livre mercado era simplesmente a troca voluntária entre indivíduos soberanos, com direitos e liberdades iguais. Se aplicado de forma consistente, esse sistema levaria à distribuição da riqueza e das propriedades de forma mais igualitária, como alegavam os anarquistas, o que efetivamente acabaria com a exploração dos trabalhadores pobres.

Muitos defensores libertários atuais do livre mercado ainda incorporam essa tradição, argumentando que o libertarianismo não pode ser uma defesa do capitalismo corporativo ou de algum outro eufemismo retórico para descrevê-lo. Para nós, o livre mercado é um sistema em que os indivíduos podem fazer o que quiserem dentro das fronteiras estabelecidas pela igual liberdade dos outros – isto é, todos os indivíduos estão em pé de igualdade enquanto agentes que podem abrir seus próprios negócios, se apropriar de bens ou vender seu trabalho e seus produtos.

Sem os subsídios sistemáticos às grandes empresas, a profusão de novas oportunidades para a independência individual e o auto-emprego significariam uma mudança drástica no poder de barganha dos trabalhadores. As grandes corporações não teriam mais a prerrogativa de oferecer baixos salários para “pegar ou largar”, porque os indivíduos poderiam escolher sem tantas consequências negativas “largar”. Com os monopólios à terra garantidos pelo governo desintegrados, com a abolição das barreiras regulatórias e de licenciamento, com a emissão livre de moedas alternativas concorrentes, nenhuma empresa poderia crescer ou se tornar mais influente sem o serviço adequado a seus consumidores.

É isso que muitos libertários querem dizer quando falam sobre o livre mercado. Não somos apaixonados pelo poder corporativo e pela realidade do capitalismo global como supõem o cardeal Maradiaga ou aqueles da esquerda políticas – muitos de nós são muito mais críticos do sistema econômico vigente que qualquer pessoa na esquerda progressista mainstream. Se de fato houver algum problema nas narrativas libertárias contemporâneas, ele se encontra em sua defesa inconsistente dos princípios de livre mercado, não em sua devoção “férrea” e “radical” a elas.

Há poucas dúvidas de que o cardeal Maradiaga seja bem intencionado e que suas preocupações a respeito da desigualdade de renda e sua compaixão pelos necessitados sejam genuínas. Porém, a oposição libertária à agressão em todas as suas formas – inclusive a ações estatais “legítimas” – não é contrária a essas preocupações.

A pobreza e a exploração sistêmicas dependem da agressão. Os católicos devem ter cuidado com a caracterização de Maradiaga do libertarianismo como apologia à ganância e à destituição econômica. Se fosse isso, a maioria dos libertários que eu conheço o oporiam também.

Daniel S. D'Amato é advogado e associado sênior do Centro por uma Sociedade Sem Estado (c4ss.org)



Por: David S. D'Amato
Publicação: http://www.jornaldiadia.com.br/news/noticia.php?Id=30078#.U69X1i2g1Js

Partido de Quadros e Partido de Massas de Edward Black

Partido de Quadros e Partido de Massas de Sant King Edward Monthy Blacky dos Ingratos




O Segredo Anarco Monarquista


O Segredo Anarco Monarquista

O Segredo Anarco Monarquista é que o Príncipe Russo Pietro Kropotikin rifou a Rússia para uma Experiência Anarco Monarquista e perdeu o Poder desta Revolução Russa para o avanço Bolchevique (Protestantes Vermelhos).

Eles desejaram juntar o Capital ao Poder Publico e a Rússia foi o Território dado para realização desta experiência Politica Histórica dos Anarquistas que perderam o controle da revolução idealizada para o avanço de radicais vermelhos do Poder Publico que viriam transformar um Ditador em um "Único Patrão" de toda a Rússia.

O resultado de misturar Capital ao Poder Publico foi as Ditaduras Populistas.

Você Rússia é meu Ursinho Blau Blau de brinquedo, minha experiência em Ciências Sociais entre Sócios das Listas com quem Capita as Listas, entre Socialistas e Capitalistas na Historias Realista.

Nesta Santa Ceia eu como mesmo, falo elado mesmo, digo tudo junto como os Alemães fazem e falo comomesmo, e falando elado eu digo "comunismo".